Críticas guilhermerocker

Published on julho 15th, 2013 | by templometal

Usos e costumes: O que diz a Bíblia? Tattoos, piercing, música e roupas.

Durante toda minha caminhada cristã (28 anos de vida e de cristianismo) tenho visto muitas bizarrices. Coisas que variam do ridículo ao absurdo, mas que ainda assim há quem concorde. (Amauri Menezes, Metal Missionary.)

Já ouvi de pessoas que foram disciplinadas e até mesmo excluídas de suas comunidades por terem sido flagradas tomando um copo… não, não era cerveja nem muito menos cachaça… de coca-cola. Isso mesmo, Coca-Cola! Isso sem falar dos casos de mulheres que cortaram seus cabelos, ou pintaram; algumas porque se maquiaram ou pintaram as unhas, ou até mesmo puseram um brinco ou pulseira; homens que esqueceram de fazer a barba (eu mesmo já fui chamado a atenção por um pastor por andar com a barba por fazer e por usar cavanhaque) ou deixaram seu cabelo crescer. Eu conheci um irmão que hoje exerce o diaconato (assim como eu), que foi disciplinado várias vezes por jogar futebol e sinuca.

Coisas assim acontecem até hoje em algumas igrejas evangélicas e alguns pastores e líderes argumentam até com textos bíblicos o que se pode e o que não se pode fazer, ou usar; impondo regras que, tá na cara, não passam de humanas.

Mas, a dúvida que surge é: O que a Bíblia diz sobre usos e costumes? Qual é a diferença entre doutrina bíblica, usos culturais e costumes locais? O que, de fato, é mandamento de Deus e regra humana? Um crente em Jesus pode usar jóias e enfeites? O homem pode ter cabelo crescido? A mulher pode cortar seu cabelo sem culpa? Qual a roupa adequada para o cristão? Como deve ser a barba? Um cristão pode fazer tatuagem? Pode ouvir música secular? Praticar esportes? Todas essas perguntas tem respostas na Sagrada Escritura, é só pegar, abrir e ler. E eu vou te dar uma ajuda nisso.

Pegue o Manual do Fabricante e comece lendo Atos 15.20. O texto diz: “mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, bem como das relações sexuais ilícitas, da carne de animais sufocados e do sangue.” No contexto, vemos que, pela primeira vez na igreja primitiva, houve uma controvérsia a respeito desse tipo de assunto. Paulo e Barnabé discutiram com os irmãos judeus a respeito da circuncisão, pois os irmãos judeus queriam que os gentios se circuncidassem. Então, eles resolveram que deveriam reunir-se em Jerusalém com os demais apóstolos e presbíteros para definirem a questão. E foi resolvido entre eles que não deveriam perturbar os irmãos gentios com os costumes dos judeus, pois a salvação é pela graça, ficando definido como regra apenas o que está descrito no versículo citado.

Em I Ts. 5.22 lemos: “abstende-vos de toda forma de mal.” Como confundem esse texto! Dizem que devemos evitar, por exemplo, usar tatuagens, pois isso seria aparência do mal! Quando o texto fala, em algumas versões, ‘aparência do mal’, está falando daquilo que pode nos levar ao pecado, toda forma de mal. É do pecado que devemos nos abster. Não tem nenhuma relação com aparência física.

Em I Co. 2.4-16, Paulo nos ensina que não devemos apoiar nossa fé na sabedoria humana, mas no poder e sabedoria de Deus. E em Tt. 1.14, ele fala que não devemos nos ocupar com invencionices nem mandamentos de homens que se desviam da verdade.

A Palavra de Deus, Bíblia Sagrada é a verdade, devemos basear nosso modus vivendi nela. E é exatamente na Palavra que vamos encontrar as respostas para essas perguntas. Vou tratar cada uma delas em um tópico de cada vez.

No próximo, falarei sobre o uso de jóias e enfeites. Preparem-se! Eu sei que muitos ficarão escandalizados com o que a Bíblia diz, por isso prometo não exceder em nada o que a Palavra relata. Direi a verdade, simplesmente a verdade, nada mais que a verdade em nome de Deus!

Autor: Amauri Menezes, Metal Missionary.

 

Usos e costumes- Parte 2: O uso de jóias e outros enfeites.

Esse é um tema bem discutido, tanto entre os mais tradicionais como entre os menos conservadores. Alguns dizem que o crente tem que ser simples como a pomba, não deve usar nada para se adornar, porque tudo isso é vaidade. Outros dizem que pode-se usar um brinquinho bem sutil ou até mesmo um colar que não chame tanto a atenção, pulseira só de relógio… Outros ainda dizem que piercing é definitivamente escandaloso e não se deve nem pensar em colocar um. Alguns até mesmo afirmam que quem ousa usar um piercing está sob o domínio de espíritos maus.

Mas, eu fico com a Bíblia. O que ela disser eu aceitarei de todo o coração, porque ela sim é a Palavra de Deus.

Então, vamos começar do princípio (redundante, não?)!

O capítulo 24 de Gênesis conta a história de Eliezer, o servo mais confiável de Abraão, que foi em busca de uma esposa para Isaque na terra de Naor. Eliezer não sabia qual seria a escolhida e estabeleceu um sinal com Deus para quando achasse a moça que o Senhor havia preparado. O versículo 21 relata que, diante da confirmação do sinal, Eliezer a observava atentamente e quando ela tinha acabado de dar de beber aos homens e aos camelos daquela comitiva ele tomou um pendente de ouro (piercing?) e duas pulseiras e as deu para a moça (vs. 22). O nome da moça era Rebeca, irmã de Labão, que quando viu a menina chegando em casa com aquelas jóias e ouviu a história foi imediatamente conferir quem era aquele homem. Fico imaginando alguns irmãos nossos vendo a cena e dizendo: “Mas Abraão não era crente? Como ele manda jóias pra sua futura nora? Que escândalo!”

Avancemos. Em Gênesis 35. 2, Jacó manda que sua família se livre dos deuses estranhos e no versículo 4 eles entregam os ídolos que estavam com eles e suas argolas que pendiam nas orelhas, que eram, na verdade, amuletos associados com cultos pagãos. Ou seja, devemos nos livrar de todo tipo de idolatria.

Ainda em Gênesis (41.42) vemos o faraó pondo seu anel na mão de José, e ainda o mandou vestir roupas de linho fino, e lhe pôs ao pescoço um colar de ouro. Os crentes de hoje diriam: “José desviou!”.

O que a gente aprende até aqui é que os patriarcas usavam jóias normalmente, só rejeitando aquilo que estava ligado diretamente aos cultos pagãos.

Em Êxodo 32.2, 3 vemos Arão num ato louco pedindo ao povo que tire seus brincos para derreter e fundir um bezerro de ouro para um culto idólatra, que provocou a morte de um monte de gente. O interessante é que esse texto escandaliza muitos crentões por aí, quando afirma que homens usavam brincos entre o povo de Israel. Confere o texto do versículo 2: “Tirai as argolas de ouro das orelhas de vossas mulheres, vossos filhos e vossas filhas…”. Escandalizante, não?! E quando eles tiraram foi justamente pra pecar!

Tempos depois, o povo de Israel recebe a notícia de que, devido á sua má postura, Deus não iria subir para a terra prometida no meio do povo. Êxodo 33.4-6 relata que desde o monte Horebe em diante o povo não usou mais seus enfeites. Que tristeza para aquele povo! Nem queriam mais usar suas jóias. Essas jóias depois foram ofertadas ao Senhor para a obra da tenda da congregação conforme Êx. 35.22. Em Nm. 31.50 os oficiais e capitães do exército de Israel fazem uma oferta parecida, só que dessa vez com os despojos da guerra contra os midianitas.

Em Provérbios 1.9, Salomão compara o ensino de um pai e a instrução de uma mãe a um diadema e colares. No capítulo 25 vs 12, o sábio repreensor é comparado a pendentes e jóias de ouro puro.

Triste cena é relatada pelo profeta Isaías (3.16-26), quando ele refere o julgamento de Deus sobre as filhas de Sião, elas perderam todos os seus adornos e jóias. Ezequiel 16.1-21, mostra uma cena parecida. Confere lá!

Jeremias 2.32 diz que a donzela não esquece seus adornos, nem a noiva o seu cinto. Embora, no 4.30 o profeta chorão mostre que beleza exterior não é essencial.

O nosso irmão fiel e paciente Jó (42.11) foi compensado pelo Senhor ganhando dos seus parentes e amigos (de cada um) um anel de ouro.

Daniel (5.29) foi honrado por Belsazar com uma cadeia de ouro ao pescoço.

Até Jesus, na parábola do filho pródigo, disse que o pai recebeu o filho de volta e o honrou pondo-lhe um anel no dedo (Lc. 15.22).

Em lugar nenhum a Bíblia proíbe o uso de jóias e adornos. Deve haver limites? Com certeza. O bom senso e a cultura local definem perfeitamente os limites e padrões para se usar os enfeites dentro de padrões aceitáveis. Lembrando sempre: nosso corpo é templo do Espírito Santo.

Mas a questão não se restringe ao uso de jóias e enfeites, no próximo post trataremos dos cabelos, não apenas das mulheres mas dos homens também. Aguardem!!!

Paz extrema! God bless you!!!

Usos e costumes- Parte 3: Cabelos também são motivo de debate!

Esse é o terceiro post sobre usos e costumes nas igrejas cristãs. Já demos uma visão geral do assunto e já tratamos sobre o uso de jóias e adornos mais especificamente. Nosso propósito é mostrar claramente o que a Bíblia traz sobre o assunto, tratando-o de uma forma equilibrada, sem ferir os usos e costumes de cada grupo ou denominação cristã, mas mostrando que deve haver respeito mútuo entre os grupos, mesmo esses grupos sendo diferentes em aspectos culturais, quase sempre provenientes de suas origens e formação.

Agora trataremos sobre cabelos, e esse é um assunto que (literalmente) mexe com as cabeças de muitos crentes. Os principais questionamentos são: A mulher cristã pode cortar o cabelo, ou pintá-lo, ou fazer luzes, chapinha, estiramento, hidratação, etc.? Ela pode usar penteados exóticos, tranças, ou só pode usá-lo solto ou preso num coque? E o homem pode deixar o cabelo crescer, ou isso é proibido?

Bom, vamos ao Manual do Fabricante! A Bíblia fala sobre o voto de nazireado, onde o nazireu tinha uma série de recomendações, entre as quais a de não poder cortar o cabelo (Nm. 6.5). Alguns homens na Bíblia eram nazireus como: Samuel, Sansão, João Batista e o próprio Jesus. O que significa que eles tinham bastante cabelo. Mas, deixando de lado a lei do nazireado.Vamos ver o assunto de forma mais generalizada na Bíblia.

2 Samuel 14.26 fala de Absalão, filho de Davi. Esta passagem fala que esse cara só cortava o cabelo uma vez por ano, o que para alguns já seria uma contravenção. E ele só fazia isso uma vez por ano. Interessante que ninguém o chamava de gay por isso. Será que era porque ele era filho do rei? Acho que não!

O texto mais utilizado por quem defende que homem tem que ter cabelo curto e mulher cabelo comprido é o de I Coríntios 11.2-16. O texto começa falando de tradições e trata de um tema peculiar à igreja de Corinto. Verificando o vs. 4 lemos: “Todo o homem que ora ou profetiza, tendo a cabeça coberta, desonra sua própria cabeça.” Ora, Paulo era judeu e sabia que os judeus não aceitam que se ore de cabeça descoberta, isso é tradição entre os judeus até hoje. Os judeus usam um chapéu ou o kippot, que é um tipo de boina, pra orar. Porém, em Corinto isso era desonroso pra um homem. Portanto, para um homem coríntio não ficava bem nem mesmo ter cabelo comprido, devido a essa cultura (v. 14). Quanto à mulher, o vs. 5 fala: “Toda mulher, porém, que ora ou profetiza com a cabeça sem véu desonra a sua própria cabeça, porque é como se tivesse rapada”. Isto é, a mulher coríntia tinha como desonroso não ter um véu sobre a cabeça, pois, segundo a cultura do lugar, a mulher que não tinha um véu sobre a cabeça era prostituta; nesse caso, era preferível rapar-se do que andar ou orar descoberta (v. 6). Esse tipo de atitude tinha também uma relação simbólica de submissão à autoridade na sociedade dos coríntios, isso é perceptível a partir do versículo 7. Porém, o versículo 16 deixa bem clara a questão de que é algo peculiar à igreja de Corinto quando diz: “Contudo, se alguém quer ser contencioso, saiba que nós não temos tal costume, nem as igrejas de Deus.” É, parece que Paulo tava prevendo o futuro.

Lendo I Timóteo 2.9,10 temos a impressão de que a mulher não deve usar jóias, vestidos caros ou frisos no cabelo. Mas será isso mesmo que Paulo falou? Vamos ler o texto com atenção: “Da mesma sorte, que as mulheres, em traje decente, se ataviem com modéstia e bom senso, não com cabeleira frisada e com ouro, ou pérolas, ou vestiário dispendioso, porém com boas obras (como é próprio às mulheres que professam ser piedosas).” Paulo deixou claro que as mulheres cristãs deveriam se vestir com modéstia e bom senso, ao invés de ficarem preocupadas com vestidos caros, jóias ou uma cabeleira bonita, pois isso é realmente secundário; as boas obras, que revelam a verdadeira natureza de santidade e novidade de vida é que deviam ser priorizadas. Aqui não há base para proibir as mulheres de enfeitarem seus cabelos.

Em I Pedro 3.1-7, o apóstolo fala sobre o modelo de vida exemplar de uma mulher cristã que deseja ganhar o seu marido ainda não-convertido. No versículo 3 ele fala: “Não seja o adorno da esposa o que é exterior, como frisado de cabelo, adereços de ouro, aparato de vestuário;” e no versículo 4 completa: “seja, porém, o homem interior do coração, unido ao incorruptível trajo de um espírito manso e tranquilo, que é de grande valor diante de Deus.” Mais uma vez não nenhuma proibição de se enfeitar o cabelo ou cortar.

Aliás, nenhum texto bíblico embasa esse tipo de proibição, que não passa de tradição humana e não pode ser motivo de colocar mais um fardo em cima do povo de Deus.

Mas, ainda não acabou! A gente já deu umas leves pinceladas sobre o vestuário por aqui, mas vamos nos aprofundar no assunto no próximo post! Fique ligado!

Boa noite! Paz extrema! God bless you!!!

Usos e costumes- Parte 4: Que tipo de roupa o cristão deve usar?

Gostaria de salientar aqui que tudo isso que eu venho postando não é um assunto primordial. Todavia, como todo cristão deseja agradar a Deus em todos os aspectos de sua vida, essa questão também precisa ser abordada.

As perguntas mais frequentes relacionadas ao uso de roupas são: Uma mulher pode usar calças compridas? E blusas sem mangas? Quais os limites no vestuário feminino? E os homens podem ou não usar bermudas? E camisetas regata? Como se trajar para uma praia ou piscina?

Bíblia na mão e vamos ver o que ela nos diz!

Deuteronômio 22.5 diz: “A mulher não usará roupa de homem, nem o homem, veste peculiar à mulher; porque qualquer que faz tais coisas é abominável ao Senhor, teu Deus.” Deus determinou para o seu povo que as mulheres não deveriam utilizar os atavios de um homem e os homens não deviam vestir-se como mulheres. Foi posto ali um princípio de distinção entre os sexos, e apesar desses símbolos variarem com o passar dos tempos e de cultura para cultura, esse princípio continua de pé. As violações da ordem da criação, tal como o homossexualismo e a bestialidade são biblicamente considerados como abominação. Uma mulher pode usar calças compridas sem medo nenhum, até porque existem calças femininas e masculinas, o que não pode é uma mulher usar uma calça masculina e vice-versa.

Há também no versículo 11 um outro mandamento: “Não te vestirás de estofos de lã e linho juntamente.” Primeiro, existia a possibilidade desses dois materiais encolherem desigualmente, o que significa que não seriam bem lavados. Ou, simplesmente Deus queria que o povo de Israel lembrasse de que eles deveriam ser um povo puro. De qualquer forma, vemos aqui o cuidado especial que Deus tem com o Seu povo. Porém, devemos lembrar que Deus estava falando, nesse caso, especificamente para o povo de Israel. Esse texto faz parte da lei cerimonial. Mas ficam para nós hoje os princípios de pureza estabelecidos por Deus.

Em Eclesiastes 9.8 lemos: “Em todo o tempo sejam alvas as tuas vestes, e jamais falte o óleo sobre a tua cabeça.” Bom, antes eu quero deixar bem claro que esse texto não determina nenhum tipo de cor de roupa que devemos usar, como alguns podem pensar. Sim, eu conheço uma determinada denominação que fala que seus membros não podem usar preto e vermelho. Manos, pelo amor de Deus!, vamos zelar pela Palavra como ela é. Chega de invenções! Santidade não é somente aquela que é exteriorizada, santidade começa lá no nosso interior, no espírito! O texto de Eclesiastes tá falando de pureza e santidade no espírito, são as nossas vestes espirituais que precisam estar brancas.

Mas, prossigamos! Salmo 45.13 , 14 fala que as roupas da filha do Rei são recamadas de ouro e seu vestido é todo bordado. Roupas caríssimas que parecem contrastar com o que Paulo diz em 1Timóteo 2.9,10 e Pedro reitera na sua primeira epístola 3.3. Mas, lendo atentamente os textos percebemos que ambos os apóstolos estavam falando que, antes das mulheres se preocuparem com o que vestir ou usar, elas devem se dedicar às boas obras e se preocupar muito mais com o seu viver espiritual dentro da vontade de Deus.

Se não fosse assim Mardoqueu não teria aceitado, como homem de Deus que ele era, sair da presença do rei com veste real azul-celeste e branco, uma grande coroa de ouro e um manto belíssimo de linho fino e púrpura, quando foi honrado pelo rei Assuero (cf. Ester 8.15). Nem mesmo Daniel se vestiria de púrpura quando revelou a sentença de Deus sobre o rei Belsazar; se bem que de primeira ele recusou, pois não estava ali para comercializar com o dom que Deus lhe havia confiado, mas depois Belsazar o quis honrar (cf. Dn. 5.17, 29).

Como sempre o que conta ao escolher o que vestir é o bom senso. Cada um precisa ter bem definido em sua mente o que é certo e o que é errado, o que convém e o que não convém. Afinal, somos guiados pelo Espírito e pela Palavra de Deus.

Mulher, use livremente sua calça comprida, sua blusa sem mangas; homem, seja livre também para usar sua bermuda, sua camiseta; quando for a praia ou a piscina, vistam-se decentemente. Evitem sempre a sensualidade, a provocação sexual e o erotismo. No mais, se a tua consciência não te acusa, fique na paz. Seja puro diante de Deus e da sociedade.

Mas, o tema ‘Usos e cosumes’ ainda não se esgotou. Na próxima, tratarei um assunto mais voltado para os homens: barba. O que pode e o que não pode?

É… ainda temos muito o que conversar! Por enquanto é só! Inté!

Paz extrema!!! God bless you!!!

Usos e costumes- Parte 5: “Pelas barbas do profeta!”

Todo homem que se preza gosta de zelar pela aparência. E a barba é um dos elementos essenciais na estética masculina. Os tipos e gostos variam muito: Há os que gostam da cara lisinha (a famosa bundinha de neném), outros curtem um pelo cerradinho, outros uma barba volumosa, alguns usam apenas o bigode (que também tem vários tipos), há também aqueles que como eu gostam de um belo cavanhaque.

Mas existem alguns evangélicos que dizem ser contraproducente um cristão que não se barbeia, e que o máximo que se pode usar é um bigode, nada mais. Ou a cara lisa, ou somente um bigode! Base bíblica pra isso, please!(?)

Bem, a gente sabe que algumas religões e seitas por aí, valorizam o uso de uma barba bem volumosa, tanto que os mais fundamentalistas chegam até mesmo a matar aqueles que ousam se barbear. Não preciso nomear bois, certo?

Mas vamos ver o que nosso Manual de Fé e Prática fala a respeito do assunto!

Vamos começar por Levítico 19.27: “Não cortareis o cabelo em redondo, nem danificareis as extremidades da barba.” O 21.5 fala: “Não farão calva na sua cabeça e não cortarão as extremidades da barba, nem ferirão a sua carne.” O primeiro texto é generalizado para a nação de Israel, o segundo específico para os sacerdotes. Ambos fazem parte da lei cerimonial e não são, nem de longe, reiterados por Jesus ou pelos apóstolos. Mas quem quiser ficar barbudo fique à vontade! O texto diz que não se deve sequer cortar as extremidades da barba, ou seja, “Longa vida à barba!”. Porém, o versículo 19.24 de 2Samuel dá a entender que só quem se preocupava em cumprir o mandamento era o sacerdote, pois Mefibosete, fiho de Saul que estava sob os cuidados de Davi, espontava, ou seja, aparava a barba. A barba do sacerdote era tão valorizada que o salmista Davi cita a de Arão no Salmo 133.2.

A ultima alusão bíblica quanto à barba está em Isaías 7.20, que diz: “Naquele dia, rapar-te-á o Senhor com uma navalha alugada doutro lado do rio, a saber, por meio do rei da Assíria, a cabeça e os cabelos das vergonhas e tirará também a barba.” Olha que o texto mostra claramente a vergonha que era pra um homem daquele tempo ter sua barba rapada! Cara lisa nem pensar! Depois disso em nenhuma outra parte da Bíblia, nem no Novo Testamento, se encontra outra referência à barba.

Resumindo, não há na Bíblia, regras para os cristãos quanto ao uso da barba. Mas uma vez recomendo o bom senso e a imprescíndivel higiene no cuidado da sua barba. Ande sempre com sua barba, ou bigode, ou cavanhaque arrumadinhos e bem tratados. Ou se preferir ande de cara lisa. Só não mude seu barbear por causa de pressões externas. Leve em conta também que há profissões que exigem que o homem esteja sempre barbeado. Então, resta ter em mente bem definido o que se quer, e andar em equilíbrio diante de Deus e dos homens.

No próximo post, falarei de um assunto ainda mais polêmico quando se trata de Usos e Costumes, tatuagens.

Vai ferver, hein?!

Paz extrema a todos! God bless!!!

Usos e costumes- Parte 6: Tatuagens.

Falar de tatuagem no meio cristão, ainda nos dias atuais, é um certo tabu! Mas algumas barreiras já foram quebradas, graças ao Senhor! A maioria cristã ainda é contra o uso de tatuagens e alegam simplesmente que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo (como de fato é) e que não deve ser ‘profanado’ com tatuagens. Aí, usam vários textos fora de contexto para justificar a proibição de tatoos.

Antes de qualquer coisa, eu gostaria de dizer que a minha opinião quanto ao uso de tatuagem é totalmente favorável e eu vou mostrar em que eu me baseio biblicamente. Vamos nessa!

O primeiro texto a ser analisado dentro dessa questão é o de Levítico 19.28, o mais utilizado pelos que não apoiam a ideia de se tatuar: “Pelos mortos não ferireis a vossa carne; nem fareis marca nenhuma sobre vós. Eu sou o Senhor.” Leia atentamente o texto e notará que não há nenhuma proibição de se tatuar, contanto que não seja “pelos mortos”. Está se falando claramente de rituais pagãos, onde os idólatras cortavam suas carnes para invocar os mortos ou o espírito de seus deuses. Isso se encaixa perfeitamente quando conferimos o texto referido com o do versículo 21.5 que diz: “… nem ferirão a sua carne.” O texto não proíbe a tatuagem de uma forma generalizada, mas de tatuagens que tenham a ver com idolatria e paganismo. O texto é bem específico. Este texto pode ainda ser complementado com Deuteronômio 14.1.

Por outro lado, a Bíblia está repleta de textos que mostram que a tatuagem pode ser usada de forma benigna.

Comecemos por Isaías 44.5 que diz: “Um dirá: Eu sou do Senhor; outro se chamará do nome de Jacó; o outro ainda escreverá na própria mão: Eu sou do Senhor, e por sobrenome tomará o nome de Israel.” Escrever na própria mão pode ser com caneta ou tatuado. Aí você pode dizer: Mas eu queria algo que parecesse mais concreto, eterno quem sabe! Então lá vai! Isaías 49.16: “Eis que nas palmas das minhas mãos te gravei; os teus muros estão continuamente perante mim.” Agora eu quero ver alguém apagar essa tatuagem aí! Não tem raio laser no mundo que apague essa marca!

Eu também posso mostrar Jeremias 31.33: ” Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor: Na mente, lhes imprimirei as minhas leis, também no coração lhas inscreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.” Parece ou não uma marca permanente? E por que não dizer eterna? O texto é repetido em Hebreus 8.10. Confere lá!

Por fim, em Apocalipse 19.16 temos uma descrição poderosa de Jesus, o Cristo vencedor que termina exatamente assim: “Tem no seu manto e na sua coxa um nome inscrito: Rei dos reis e Senhor dos Senhores.” Mais uma marca permanente.

Textos que proíbem o uso de tatuagens não tem nenhum na Bíblia, porém, mais uma vez, recomendo o bom senso e o equilíbrio sobre o assunto. Muitos pastores e líderes não gostam da ideia de uma ovelha ou liderado se tatuar; por isso deve-se respeitar a sua opinião e ser obediente, submisso à autoridade pastoral. Obediência é bênção. Deve-se também lembrar que muitos empregos não aceitam pessoas tatuadas. E ainda, pense bem no que deseja tatuar, muitas tatuagens são símbolos pagãos e idólatras, e isso é abominação, como já vimos. Pense também que tatuagem é quase como o casamento, é pra sempre, embora através de tecnologias a laser seja possível remover, mas é muito caro!

Bom, ainda temos muito o que conversar sobre Usos e Costumes. Nossa próxima conversa será sobre música popular, ou secular, ou ainda música do mundo! O que a Bíblia diz? O cristão pode ouvir?

Até o próximo post! Paz extrema! God bless you!!!

Usos e costumes- Parte 7: O cristão e a música popular.

Gosto musical é algo muito pessoal, tanto é assim que existem os mais variados ritmos e estilos e, de tempos em tempos, surgem novas tendências musicais. Olhando para as páginas da Bíblia, temos muitas referências a música, principalmente de louvor e adoração, mas não encontramos nenhuma referência a música secular ou popular, que muitos chamam de música do mundo, um termo um tanto tosco pra denominar a música popular. O pouco que temos é uma referência ao primeiro músico da história, Jubal, descendente de Caim, que segundo a Palavra é o pai de todos os que tocam harpa e flauta (Gn. 4.21); e há também a referência de Daniel 3.5, 15 que fala de música profana, a qual não deixa de ser música religiosa e não pode ser considerado música popular.

A música popular é um tema bastante discutido no meio evangélico. Uns dizem que não se deve ouvir música popular porque não edifica nem fala de Deus; outros dizem que é pecado simplesmente; outros ainda partem para o extremo de que se pode ouvir e consumir qualquer tipo de música não importando o conteúdo (o que é muito perigoso); mas também há aqueles que equilibradamente selecionam bem o que ouvem e não tem preconceitos com relação à musicalidade.

Eu, por exemplo, ouço muito música secular, sempre atento ao conteúdo do que estou escutando para não me contaminar com coisas fúteis ou pecaminosas.

Para os que dizem que o crente não pode ouvir música secular eu costumo dá o nome de incoerentes. Imagina um crente indo no supermercado e só colocando no carrinho de compras apenas produtos cristãos! Agora, esse mesmo crente fica doente e vai procurar um médico; ele já chega perguntando ao doutor: “O senhor é crente?”! Aí, esse mesmo camarada é mandado embora do emprego injustamente e vai procurar um advogado, mas ele exige que a OAB lhe disponibilize um advogado cristão! Tosco, né? Mas é isso mesmo que se faz com a música popular. Dizem que só podemos ouvir música cristã. Pára com isso!

É como se estivessem dizendo: Só os cristãos fazem coisas boas! Os demais homens não podem fazer nada que seja bom!, o que é uma inverdade.

Na Bíblia temos vários exemplos de pessoas que não eram do povo de Deus que fizeram coisas excelentes e que foram bênção para o próprio povo de Deus. Josué 2.1-6 conta a história dos espias enviados por Josué para Jericó, chegando lá os espias se esconderam na casa de uma mulher prostituta chamada Raabe que os ajudou a fugir dos homens daquela cidade que os queriam prender. Essa atitude foi de bênção para Israel e para a própria vida dela, que foi salva da destruição juntamente com sua família (Js. 6.23). Depois ela veio a casar-se com um israelita e passou a adorar a Deus, mas antes ela nem conhecia o verdadeiro Deus.

Deus pode perfeitamente usar os dons e talentos de qualquer ser humano para abençoar a humanidade. Mateus 5.45 diz: “para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque Ele faz nascer o sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos.”

Mas aí, alguém pode alegar IJoão 2.15: “Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele;”. “Tá vendo”, alguém pode dizer,”não podemos amar o mundo, então não devemos gostar de música do mundo!” Só que o texto deixa bem claro aquilo que está no mundo que não podemos amar, é só ler mais um pouquinho pra entender: “porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo.” (IJo.2.16). Onde que tá falando de música aqui?

Parece que o problema está no fato de muitos associarem alegria e prazer com pecado. Se algo te faz sentir bem e te dá prazer é pecado! Não pode, é do diabo! Mas a realidade de Deus pra nós é outra. Deus quer que tenhamos prazer e sejamos felizes. Embora haja dias difíceis, há tempo pra se alegrar e sentir prazer ( Eclesiastes 3.1-8). O sábio Pregador recomenda que celebremos a vida que nos foi dada por Deus em Eclesiastes 8.15: “Então, exaltei eu a alegria, porquanto para o homem nenhuma coisa há melhor debaixo do sol do que comer, beber e alegrar-se; pois isso o acompanhará no seu trabalho nos dias da vida que Deus lhe dá debaixo do sol.” Agora, imagina uma festa sem música! Nâo dá. “Nada há melhor para o homem do que comer, beber e fazer que a sua alma goze o bem do seu trabalho. No entanto, vi também que isto vem da mão de Deus, pois, separado deste, quem pode comer ou quem pode alegrar-se?” (Eclesiastes 2.24,25). “Vai, pois, come com alegria o teu pão e bebe gostosamenteo teu vinho, pois Deus já de antemão se agrada das tuas obras. Em todo o tempo sejam alvas as tuas vestes, e jamais falte o óleo sobre a tua cabeça. Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias da tua vida fugaz, os quais Deus te deu debaixo do sol; porque esta é a tua porção nesta vida pelo trabalho com que te afadigaste debaixo do sol.” (Eclesiastes 9.7-9).

Às vezes, eu fico imaginando um cristão como alguns que vemos por aí, num momento romântico com sua esposa: “Querida, eu te amo tanto que vou cantar uma música pra você: Glória, glória, aleluia! Vencendo vem Jesus!” Deve ser mais ou menos assim, né? Se bem que hoje já temos músicos evengélicos que cantam música românticas, mas aí não podemos chamar essas músicas de cristãs, porque na realidade não são músicas de adoração. O nosso povo precisa entender o que é arte, música também é arte e precisamos apreciar a boa música, pois isso alegra a nossa alma.

Não quero aqui incentivar ninguém a ouvir coisas profanas. Músicas que fazem apologia ao sexo livre, a pornofonia, incentivam o uso de drogas, adoram outros deuses, incentivam a violência, isso tá por fora. Mas tudo que é de boa fama deve ser recebido com ação de graças (Filipenses 4.8). Todas as coisas são puras para nós (Tito 1.15).

I Tessalonicenses 5.21 recomenda: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom.” Isso vale para a música, literatura e muitas outras coisas. Então, bom senso é de fato imprescíndivel.

Pra concluir esse sétimo estudo sobre Usos e Costumes, eu reitero: Ouça aquilo que te faz sentir bem. Você gosta de ouvir Angra, Dream Theater, Symphony X, Zé Ramalho, Legião Urbana, Sepultura, entre outros? Não tenha receio. Mas cuidado com o exagero e a idolatria, vício faz mal.

Nosso próximo tema é: Práticas esportivas. Algo que parece não esquentar muito as cabeças dos crentes atualmente mas já deu muito o que falar. Então, até o próximo post. Fica na paz!!! God bless you!!!!

Fonte: amngospel

Deus escolheu as coisas loucas do mundo para confundir os sábios; e Deus escolheu as coisas fracas do mundo para confundir as fortes.
I Coríntios 1.27


style="display:inline-block;width:250px;height:250px"
data-ad-client="ca-pub-3614521515885487"
data-ad-slot="5145744859">

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,


About the Author

PORTAL DE NOTÍCIAS DE ROCK & METAL CRISTÃO



Back to Top ↑